Sandrena

publicidade

Bula do remédio Sandrena. Princípios Ativos Estradiol.

Indicação

Para que serve Sandrena?

SANDRENA é indicado para tratamento da síndrome do climatério, associada com deficiência estrogênica (ex.: fogachos, sudorese noturna, atrofia dos tecidos urogenitais e humor deprimido), resultante da menopausa natural ou cirúrgica. Prevenção da osteoporose pós-menopausal.

Farmacocinética

Como funciona este medicamento?

SANDRENA é um gel de base alcoólica. Quando aplicado na pele, o álcool evapora rapidamente e o estradiol é então absorvido e estocado no tecido subcutâneo de onde é gradualmente liberado para a circulação. A administração percutânea evita o efeito da primeira passagem pelo fígado. Por essas razões, as flutuações na concentração plasmática com SANDRENA são menos pronunciadas que as com estrogênios orais. Uma dose percutânea de estradiol de 1,5 mg (1,5 g de gel) resulta numa concentração plasmática de aproximadamente 340 pmol/l, o que corresponde ao início da fase folicular de mulheres na pré-menopausa. Durante o tratamento com SANDRENA, a razão estradiol/estrona é de 0,7, enquanto que durante o tratamento por via oral, essa razão cai para menos que 0,2. A biodisponibilidade de SANDRENA é de 82%, comparada com a dose oral equivalente de valerato de estradiol. Por outro lado, o metabolismo e a excreção do estradiol transdérmico são os mesmos dos estrogênios naturais.

Contraindicações

Quando não devo usar este medicamento?

Hipersensibilidade aos componentes da fórmula; durante a gravidez e a lactação; sangramento vaginal não-diagnosticado; distúrbios cárdio ou cerebrovasculares como tromboflebites, processos tromboembólicos ou história pregressa dessas condições; distúrbios hepáticos graves (incluindo síndrome de Dubin-Johnson e síndrome de Rotor); casos confirmados ou suspeita de tumores estrogênio-dependentes (ex.: câncer de mama, endométrio ou ovário).

Posologia

Como usar Sandrena?

SANDRENA é indicado para uso contínuo, mas pode ser usado ciclicamente. A dose deve ser ajustada individualmente de 0,5 g a 1,5 g por dia, o correspondente a 0,5 mg a 1,5 mg de estradiol por dia. A dose inicial é de 1,0 mg de estradiol (1,0 g de gel) diariamente. Nas pacientes com útero intacto, é recomendado combinar o tratamento de SANDRENA com um progestagênio, por exemplo, acetato de medroxiprogesterona, noretisterona, acetato de noretisterona ou diidrogesterona por 10-12 dias por ciclo. Nas pacientes em pós-menopausa estabelecida, os ciclos de tratamento podem ser aumentados para 3 meses. SANDRENA é administrado em dose única diária e aplicado sobre a pele do abdome ou da coxa (direita ou esquerda), em dias alternados. A superfície de aplicação deve ser numa área de 1-2 palmos, ou seja, SANDRENA deverá ser bem espalhado e não deverá ser concentrado em área menor que 1 palmo. SANDRENA não deve ser aplicado no tórax (na região das mamas), no rosto, na pele com irritações ou na área vaginal. Após a aplicação, deve-se deixar que o gel seque por alguns minutos. Lavar bem as mãos após a aplicação para evitar contato acidental do gel com os olhos. Se a paciente esquecer de aplicar uma dose, esta deve ser aplicada tão logo seja possível, em até 12 horas após o horário habitual. Se ultrapassar as 12 horas esta dose deve ser desprezada. O esquecimento das doses pode induzir a sangramentos irregulares.

Efeitos Colaterais

Quais os males que pode me causar?

As reações adversas são geralmente brandas e raramente levam à descontinuação do tratamento. Se ocorrerem reações adversas, essas ocorrerão durante os primeiros meses de tratamento. Ocasionais: Dores de cabeça, edema, aumento de peso, tensão mamária, sangramentos vaginais imprevistos ou spotting. Raras: Enxaqueca, alterações na libido e no humor, distúrbios gastrintestinais (vômitos, cólicas estomacais), hipertensão, irritação na pele.

Advertências e Precauções

O que devo saber antes de usar este medicamento?

Um exame ginecológico completo deve ser realizado e repetido pelo menos uma vez ao ano durante o tratamento. O uso prolongado de SANDRENA, sem o uso combinado de um progestagênio, pode causar hiperplasia endometrial. Por essa razão, mulheres que possuem o útero intacto, é recomendado o uso combinado de um progestagênio cíclico durante o tratamento com SANDRENA. Sangramento de privação semelhante à menstruação geralmente deverá ocorrer após o término de cada ciclo de progestagênio. Caso ocorra um sangramento uterino inesperado ou prolongado durante o tratamento com SANDRENA, a causa deve ser pesquisada e esclarecida. Deve-se levar em conta a descontinuação do tratamento antes de uma cirurgia ou de uma imobilização prolongada. Os riscos e benefícios do tratamento devem ser avaliados e monitorizados rigorosamente em pacientes que apresentarem: endometriose; hiperplasia endometrial; doenças cardiovasculares, incluindo distúrbios vasculares cerebrais; história de doença tromboembólica; hipertensão severa; história (ou história familiar próxima) de câncer de mama; distúrbios do metabolismo de lipídios; disfunção renal. Mulheres em tratamento com SANDRENA que apresentaram (durante a gravidez ou tratamento hormonal prévio) as seguintes situações, devem ser cuidadosamente monitoradas: hipertensão leve; enxaqueca ou dor de cabeça severa; distúrbios da função hepática; distúrbios benignos da mama; colestase/colelitíase; porfiria; leiomioma uterino; Diabetes mellitus; epilepsia; asma; otosclerose; esclerose múltipla.

Superdosagem

O que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada?

Geralmente, estrogênios são bem tolerados em superdosagem. Os possíveis sintomas de uma superdosagem são os mesmos citados para reações adversas. O tratamento é sintomático.

Apresentação

SANDRENA, na forma farmacêutica de gel, é acondicionado em sticks de doses unitárias em embalagens contendo 28 sachês de 0,5 mg, 91 sachês de 0,5 mg, 28 sachês de 1,0 mg, 91 sachês de 1,0 mg.

AKZO NOBEL Ltda Divisão Organon.

Interações Medicamentosas

Há indicações de que os estrogênios reduzem os efeitos de anti-hipertensivos, anticoagulantes e antidiabéticos. O tratamento simultâneo com potentes indutores enzimáticos hepáticos (por exemplo: barbitúricos, carbamazepina, griseofulvina e rifampicina) pode reduzir os níveis plasmáticos de estradiol. A significância dessas interações em aplicações transdérmicas não foi bem esclarecida. Nenhuma interação entre SANDRENA e outros medicamentos tem sido relatada.

Introdução

Sandrena
Estradiol

Composições

Cada sachê com 0,5 g de gel contém: Estradiol 0,5 mg. Cada sachê com 1,0 g de gel contém: Estradiol 1,0 mg.

Farmacodinâmica

A farmacodinâmica de SANDRENA é similar à dos estrogênios orais, sendo que a maior diferença, em relação à administração oral, é encontrada na farmacocinética. A eficácia clínica de SANDRENA, no tratamento dos sintomas da menopausa, é comparável à do estrogênio administrado por via oral. Combinado com o acetato de medroxiprogesterona, o tratamento percutâneo com estradiol abaixa o colesterol total sem reduzir o nível de HDL-colesterol. O tratamento com SANDRENA é tão eficiente quanto com estrogênios orais na redução da perda óssea na pós-menopausa.

Administração

SANDRENA é administrado em dose única diária e aplicado sobre a pele do abdome ou da coxa (direita ou esquerda), em dias alternados. A superfície de aplicação deve ser numa área de 1-2 palmos, ou seja, deverá ser bem espalhado e não deverá ser concentrado em área menor que 1 palmo. SANDRENA não deve ser aplicado no tórax (na região das mamas), no rosto, na pele com irritações ou na área vaginal. Após a aplicação, deve-se deixar que o gel seque por alguns minutos. Lavar bem as mãos após a aplicação para evitar contato acidental do gel com os olhos.

Laboratório

Akzo Nobel Ltda.

publicidade