Rupafin

Bula de Rupafin

Bula do remédio Rupafin. Princípios Ativos Fumarato de Rupatadina. Venda sob prescrição médica.

publicidade

Indicação

Para quê serve Rupafin?

Tratamento sintomático da rinite alérgica
sazonal e perene.

Farmacocinética

Como funciona este medicamento?

Absorção e biodisponibilidade
A rupatadina é rapidamente absorvida após
a administração oral, com um tmáx (tempo
necessário para atingir a concentração máxima
no plasma) de aproximadamente 0,75
hora após a ingestão. A Cmáx (concentração
máxima no plasma) média foi de 2,2 ng/ml
após uma única dose oral de 10 mg e 4,6
ng/ml após uma única dose oral de 20 mg.

A farmacocinética da rupatadina foi linear
para uma dose entre 10 e 40 mg. Após uma
dose de 20 mg uma vez ao dia por 7 dias, a
Cmáx média foi de 2,0 ng/ml. A concentração
de plasma seguiu uma queda bi-exponencial
com uma média de meia-vida de eliminação
de 5,9 horas. A taxa de ligação da rupatadina
às proteínas do plasma foi de 98,5 - 99%.

Como a rupatadina nunca foi administrada
em humanos através de via intravenosa,
nenhum dado está disponível sobre sua biodisponibilidade
absoluta.

Efeito da ingestão com alimentos
A concentração máxima do plasma (Cmáx)
não foi afetada pela ingestão de alimentos.

A ingestão de alimentos aumentou a exposição
sistêmica (AUC - área sob a curva)
à rupatadina em aproximadamente 23%.

A exposição a um de seus metabólitos ativos
e ao metabólito inativo principal foi praticamente
a mesma (redução de aproximadamente
5% e 3%, respectivamente). O tempo
necessário para atingir a concentração máxima
no plasma (tmáx) da rupatadina foi atrasado
em 1 hora. Estas diferenças não tiverem
significância clínica.

Metabolismo e eliminação
Em um estudo de excreção em humanos
usando 40 mg de 14C-rupatadina, 34,6% da
radioatividade administrada foi recuperada
na urina e 60,9% nas fezes coletadas por 7
dias. A rupatadina passa por um metabolismo
pré-sistêmico considerável quando administrada
por via oral. A quantidade de substância
ativa inalterada encontrada na urina e nas
fezes foram insignificantes. Isto significa que
a rupatadina é quase completamente metabolizada.

Alguns dos metabólitos (desloratadina
e seus metabólitos hidroxilados) retêm
uma atividade anti-histamínica e podem contribuir
parcialmente para a eficácia global da
droga, mantendo a atividade por até 24 horas.

Estudos de metabolismo in vitro nos microssomos
do fígado humano indicam que a rupatadina
é metabolizada principalmente pelo
citocromo P450.

Grupos de pacientes específicos
Em um estudo em voluntários saudáveis para
comparar os resultados em pacientes adultos
jovens e idosos, os valores para AUC e Cmáx
para a rupatadina foram mais altos nos idosos
do que nos adultos jovens. Isso ocorre,
provavelmente, devido a uma diminuição do
metabolismo hepático de primeira passagem
nos idosos. Estas diferenças não foram apreciáveis
nos metabólitos analisados. A média
de meia-vida de eliminação da rupatadina
nos idosos e nos jovens voluntários foi de
8,7 horas e 5,9 horas, respectivamente. Como
estes resultados para a rupatadina e seus
metabólitos não foram clinicamente significativos,
concluiu-se que não é necessário
fazer nenhum ajuste ao utilizar uma dose de
10 mg nos idosos.

Dados de segurança pré-clínica
Uma dose 100 vezes maior que a dose clinicamente
recomendada (10 mg) de rupatadina
não prolongou o intervalo QTc ou QRS,
nem produziu arritmia em diversas espécies
de animais como ratos, cobaias e cães. A
rupatadina e um dos seus principais metabólitos
ativos em humanos, 3-hidroxidesloratadina,
não afetaram a ação cardíaca potencial
nas fibras Purkinje isoladas de cães em concentrações
pelo menos 2.000 vezes maiores
do que a Cmáx alcançada após a administração
de uma dose de 10 mg em humanos.

Em um estudo que avaliou o efeito no canal
de proteínas HERG humano clonado, a rupatadina
inibiu o canal em uma concentração
1.685 maior do que a Cmáx obtida após a administração
de 10 mg de rupatadina. A desloratadina,
o metabólito com a maior atividade,
não teve efeito em uma concentração
micromolar de 10. Estudos da distribuição
tissular da rupatadina em ratos mostraram
que a rupatadina não se acumula no tecido
cardíaco.

Estudos de fertilidade nos ratos mostraram
uma redução significativa da fertilidade do
macho e da fêmea na dose de 120 mg/kg/
dia, que resultou em Cmáx de rupatadina 268
vezes maior do que aquela obtida após a
administração de 10 mg/dia em humanos.

Este efeito não foi observado na dose de 25
mg/kg/dia. O tratamento com 120 mg/kg/dia
em fêmeas com cria causou em atraso no
desenvolvimento da cria, mas este efeito foi
mínimo em uma dose de 25 mg/kg/dia e não
foi visto em uma dose de 5 mg/kg/dia.

A rupatadina não apresentou nenhum potencial
genotóxico ou carcinogênico na bateria
de testes realizados.

Formato: 150 x 210 mm
Cor: Pantone Black
Modelo de Bula: 2rpfco2
Código: 5385
Bula Rupafin.p65 13/2/2003, 14:54 1

Contraindicações

Quando não devo usar este medicamento?

Rupatadina não deve ser administrada
aos pacientes que apresentam hipersensibilidade
à rupatadina ou a qualquer
outro excipiente.

Posologia

Como usar Rupafin?

Adultos e adolescentes (acima de 12 anos
de idade): a dose recomendada é de 10 mg
(um comprimido) uma vez ao dia, com ou
sem alimentos.

Idosos: RUPAFIN® (rupatadina) deve ser
utilizado com cuidado em idosos. Não há
dados que indiquem a necessidade de ajuste
de dose.

5385
Criança: a segurança e eficácia da rupatadina
não foram estabelecidas em pacientes
com menos de 12 anos de idade.

Paciente com insuficiência renal ou hepática:
como até o momento não existe experiência
clínica em pacientes com insuficiência
renal ou hepática, o uso de RUPAFIN® (rupatadina)
não é recomendado para estes pacientes.

Efeitos Colaterais

Quais os males que este medicamento pode me causar?

Os efeitos indesejáveis com o RUPAFIN
® (rupatadina) em estudos clínicos
foram reportados em 8% dos pacientes
a mais do que naqueles tratados com
placebo.

As reações adversas e suas freqüências,
após a subtração das incidências
no grupo placebo, foram, em ordem decrescente:
Comum (> 1/100, < 1/10): sonolência,
astenia, fadiga.

Incomuns (> 1/1000, < 1/100): boca
seca, faringite, dispepsia, aumento de
apetite, rinite.

Advertências e Precauções

O que devo saber antes de usar este medicamento?

RUPAFIN® (rupatadina) não deve ser
utilizado em combinação com cetoconazol,
eritromicina ou qualquer outro
inibidor potencial da isozima CYP3A4
do citocromo P450, uma vez que estas
substâncias ativas aumentam as concentrações
plasmáticas da rupatadina.

RUPAFIN® (rupatadina) deve ser utilizado
com cuidado em pacientes acima
de 65 anos. Embora nenhuma diferença
geral na eficiência ou segurança
tenha sido observada nos estudos
clínicos, uma sensibilidade mais elevada
de alguns indivíduos mais idosos
não pode ser excluída devido ao pequeno
número de pacientes idosos
estudados.

Superdosagem

O que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada deste medicamento?

Nenhum caso de superdosagem foi relatado.

A ingestão acidental de doses muito altas
deve receber tratamento sintomático com as
medidas de apoio necessárias.

Composição

Cada comprimido de 10 mg contém:
Fumarato de rupatadina (*) .......... 12,80 mg
Excipiente q.s.p. .................... 1 comprimido
(amido pré-gelatinizado, celulose microcristalina,
óxido de ferro vermelho E-172, óxido
de ferro amarelo E-172, lactose monoidratada,
estearato de magnésio)
(*) equivalente a 10 mg de rupatadina base

Apresentação

Comprimidos. embalagem com 10 comprimidos.

Interações Medicamentosas

Um estudo realizado associando eritromicina
à rupatadina não mostrou
uma interação clínica entre as 2 substâncias,
apesar do aumento da concentração
plasmática da rupatadina;
portanto, deve-se ter uma atenção especial
nos casos de co-administração.

Um outro estudo mostrou que há uma
forte interação entre a rupatadina e cetoconazol,
supondo que o cetoconazol
inibe essencialmente o efeito hepático
de 1ª via da rupatadina, devendo-se
então evitar a associação entre as duas
substâncias, apesar da tolerabilidade
geral da co-administração ter sido boa.

Sendo assim, RUPAFIN® (rupatadina)
não deve ser utilizado em combinação
com cetoconazol, eritromicina ou qualquer
outro inibidor potencial da isozima
CYP3A4 do citocromo P450, uma vez
que estas substâncias ativas aumentam
as concentrações plasmáticas da
rupatadina.

A administração concomitante de rupatadina
e cetoconazol ou eritromicina
aumenta a exposição sistêmica à rupatadina
em 10 e 2-3 vezes, respectivamente.

Portanto, o uso da rupatadina
com estes medicamentos e outros inibidores
da isozima CYP3A4, em geral,
não é recomendado.

Estas modificações não foram associadas
ao efeito sobre o intervalo QT ou
ao aumento de reações adversas em
comparação as drogas quando administrados
separadamente.

Estudos de interação in vivo com outras
substâncias além do cetoconazol e da
eritromicina não foram realizados.

Interação com álcool: após a administração
de álcool, uma dose de 10 mg
de rupatadina produziu efeitos marginais
em alguns testes de performance
psicomotora, embora não fossem significativamente
diferentes dos efeitos
produzidos apenas pela ingestão de
álcool. Uma dose de 20 mg aumentou
as alterações causadas pela ingestão
de álcool.

Interação com os depressores do
SNC: como ocorre com outros anti-histamínicos,
as interações com depressores
do SNC não podem ser excluídas.

Venda

Venda sob prescrição médica

Introdução

RUPAFIN®
Fumarato de Rupatadina
10mg
Comprimidos

Gravidez e Lactação

Não estão disponíveis dados sobre a
administração de rupatadina na gravidez.

Estudos em animais não indicam
efeitos prejudiciais diretos ou indiretos
no que se refere à gravidez, desenvolvimento
embrionário / fetal, parto ou
desenvolvimento pré-natal. Mulheres
grávidas, portanto, não devem utilizar
a rupatadina, a menos que o benefício
potencial para a mãe supere o risco
potencial para a criança.

Efeito sobre a habilidade de dirigir
e operar máquinas
Em um estudo das funções psicomotoras,
10 mg de rupatadina não apresentaram
efeitos clinicamente significativos.

Entretanto, deve-se ter cuidado
antes de dirigir ou usar máquinas até
que a reação individual do paciente à
rupatadina tenha sido estabelecida.

Pacientes Idosos

Rupafin® (rupatadina) deve ser utilizado
Com cuidado em idosos, apesar de dados
Não indicarem a necessidade de ajuste de
Dose.

Atenção: este produto é um novo
Medicamento e embora as pesquisas
Realizadas tenham indicado
Eficácia e segurança, quando
Corretamente indicado, podem
Ocorrer reações adversas imprevisíveis,
Ainda não descritas
Ou desconhecidas. em caso de suspeita
De reação adversa, o médico
Responsável deve ser notificado.

Informações ao Paciente

Ação esperada do medicamento: Este
medicamento destina-se ao alívio dos sintomas
da rinite alérgica sazonal e perene.

Cuidados de armazenamento: Conservar
em temperatura ambiente (entre 15oC e
30oC). Proteger da luz e umidade.

Prazo de validade: Desde que sejam observados
os cuidados de armazenamento,
RUPAFIN® (rupatadina) apresenta prazo de
validade de 36 meses. Não utilize o produto
com o prazo de validade vencido.

Gravidez: O uso de RUPAFIN® (rupatadina)
na gravidez só deve ser indicado caso não
haja melhor alternativa disponível e se o tratamento
for essencial.

Informar ao seu médico a ocorrência de
gravidez na vigência do tratamento ou após
seu término.

Informar ao seu médico se está amamentando.

Cuidados de administração: Siga a orientação
do seu médico, respeitando sempre
os horários, as doses e a duração do tratamento.

Cuidados na interrupção do tratamento:
Não interromper o tratamento sem o conhecimento
do seu médico.

Reações adversas: Informe seu médico o
aparecimento de reações desagradáveis. As
reações adversas mais freqüentes são: sonolência,
fraqueza generalizada e cansaço.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO
FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Ingestão concomitante com outras substâncias:
Informar seu médico se for necessário
o uso simultâneo de outros medicamentos.

Contra-indicações e precauções: Este
produto é contra-indicado para pacientes
com hipersensibilidade à rupatadina e/ou a
qualquer outro excipiente.

Use este medicamento sempre sob prescrição
médica.

NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO
DO SEU MÉDICO. PODE SER
PERIGOSO PARA A SAÚDE.

Informações Técnicas

MODO DE AÇÃO
A rupatadina é um antagonista da histamina
não sedativo, de longa duração, com atividade
antagonista periférica seletiva dos
receptores H1. Nos estudos clínicos com
voluntários, doses únicas de 10 a 80 mg de
rupatadina produziram uma redução significativa
do eritema induzido por histamina
quando comparadas ao placebo. Na dose
recomendada de 10 mg, o aparecimento da
atividade anti-histamínica ocorreu em 30 minutos
e se prolongou por 24 horas.

A rupatadina possui propriedades antialérgicas
como a inibição da degranulação de
mastócitos induzida por estímulos imunológicos
e não-imunológicos e a inibição da liberação
de citocinas, particularmente do TNFa
nos mastócitos e monócitos humanos. Ela
também bloqueia os receptores do fator de
ativação de plaquetas (PAF), de acordo com
estudos in vivo e in vitro. A relevância clínica
destas observações ainda não foi confirmada.

Estudos clínicos em voluntários e pacientes
com rinite alérgica, que incluíam uma determinação
da influência do tratamento com
rupatadina sobre o eletrocardiograma, não
revelam diferenças significativas no intervalo
QTc.

Durante estudos clínicos, incidências similares
de aumentos discretos e reversíveis nas enzimas
hepáticas foram relatadas tanto para
o placebo (1,19%) quanto para a rupatadina
10 mg (1,25%).

Laboratório

Biosintética Farmacêutica Ltda.

SAC: 0800-7016900 

publicidade