Metildopa

Bula de Metildopa

Bula do remédio Metildopa. Classe terapêutica dos Antihipertensivos. Princípios Ativos Metildopa.

publicidade

Indicação

Para quê serve Metildopa?

Agente anti-hipertensor no tratamento da hipertensão essencial moderada a severa, incluindo a hipertensão maligna.

Contraindicações

Quando não devo usar este medicamento?

Pacientes portadores de: hepatopatias ativas (hepatite aguda e cirrose ativa), anemia hemolítica e aqueles que apresentaram distúrbios hepáticos durante ou após tratamento com Metildopa. É também contra-indicada em pacientes com sensibilidade comprovada ao medicamento.

Posologia

Como usar Metildopa?

Adultos: recomenda-se 1 comprimido de 250 mg a cada 8 horas (3 doses diárias) durante os dois primeiros dias de tratamento; a seguir, a dose pode ser ajustada, se necessário, com intervalos de 2 dias, não excedendo a 2 g diários. Apesar de alguns pacientes responderem bem até 65 mg/kg diários, recomenda-se caso 2 g sejam insuficientes, o emprego de outro agente anti-hipertensor e não aumento da dose. Crianças: a dose inicial é de 10 mg/kg peso/dia, fracionados em 2 ou 4 tomadas com intervalos de 8 horas; se necessário, fazer ajuste da dose com intervalos de 2 a 4 dias; a dose máxima recomendada é 65 mg/kg peso/dia. - Superdosagem: investigações revelaram que doses de 2,5 g produzem coma, hipotermia, hipertensão, bradicardia e boca seca em um homem de 19 anos de idade. Pacientes recobram funções normais com tratamento intravenoso de fluidos.

Efeitos Colaterais

Quais os males que este medicamento pode me causar?

As reações adversas mais comuns são sedação e sonolência, geralmente transitórias. Observa-se com freqüência menor, efeitos adversos ocasionados pelo bloqueio dos nervos simpáticos, tais como: vertigens, náuseas, fraqueza, cefaléia, bradicardia, congestão nasal e diarréia. Outros efeitos mais raros: boca seca, diminuição da libido nos homens, depressão física, pesadelo, lactação em ambos os sexos e depressão da função hepática, ocorrendo febre, mal-estar e icterícia (anemia hemolítica reversível). Foram relatados alguns casos de síndrome semelhante ao lúpus eritematoso, granulocitopenia ou trombocitopenia.

Advertências e Precauções

O que devo saber antes de usar este medicamento?

Antes da administração de Metildopa em agentes e mulheres em fase de amamentação deve ser feita uma avaliação entre benefícios e riscos. Se administrada em tratamento contínuo prolongado, Metildopa pode desenvolver testes de Coombs direto positivo. A diálise remove a Metildopa, portanto, após este processo deve ser administrada nova dose para evitar retorno da hipertensão. Metildopa deve ser administrado concomitantemente com um diurético, para evitar a formação de edemas. Em pacientes com função renal comprometida, pode ocorrer acúmulo de Metildopa; porém há evidências da necessidade de um ajuste posológico neste caso. Pacientes portadores de disfunção hepática que necessitam fazer uso de Metildopa devem ser acompanhados periodicamente com provas funcionais hepáticas tipo: TGO, TGP, bilirrubina, tempo de protrombina, etc. Gravidez e lactação: reduz a pressão sangüínea em crianças cujas mães receberam metildopa. - Interações medicamentosas: Metildopa favorece a retenção de sal e água; recomenda-se durante o uso do medicamento um rigoroso controle na dieta alimentar com diminuição do sal. Metildopa administrada juntamente com hidroclorotiazida diminui consideravelmente o grau de retenção. Ao se indicar Metildopa a pacientes que tomam outros anti-hipertensivos, a dose deve ser ajustada para promover uma transição suave.

Composição

Cada comprimido contém: metildopa 250 ou 500mg. Excipiente q.s.p. 1 comprimido. Excipientes: álcool etílico, cloreto de metileno, celulose microcristalizada, amido de milho, polivinilpirrolidona, talco, opadry clear Ys-70006.

Apresentação

Caixa com 30 comprimidos de 250 mg e caixa com 20 comprimidos de 500 mg.

Laboratório

Lab. Ducto Ind. Farm. Ltda.

publicidade