Meticorten 20 mg

publicidade

Bula do remédio Meticorten 20 mg. Classe terapêutica dos Antiinflamatório. Princípios Ativos Prednisona.

Indicação

Para que serve Meticorten 20 mg?

METICORTEN é indicado para o tratamento de doenças endócrinas (doenças das glândulas); doenças osteomusculares (doenças dos ossos e músculos); distúrbios do colágeno (doenças que afetam vários órgãos e tem causa autoimune); doenças dermatológicas (doenças da pele); doenças alérgicas; doenças oftálmicas (doenças dos olhos); doenças respiratórias; doenças hematológicas (doenças do sangue); tumores e outras que respondam ao tratamento com corticosteroides.

Contraindicações

Quando não devo usar este medicamento?

Não utilize METICORTEN se você tem infecções sistêmicas por fungos ou já teve reações alérgicas ou alguma reação incomum à prednisona, a outros corticosteroides ou a qualquer um dos componentes da fórmula do produto.

Posologia

Como usar Meticorten 20 mg?

Seu médico irá lhe prescrever uma dosagem individualizada, com base na sua doença específica, gravidade e sua resposta ao medicamento. A dose inicial de METICORTEN para adultos pode variar de 5 mg a 60 mg diários, dependendo da doença em tratamento. Caso a doença não melhore após um certo tempo, procure seu médico. A dose pediátrica, inicialmente, pode variar de 0,14 mg a 2 mg/kg de peso por dia, ou de 4 mg a 60 mg por metro quadrado de superfície corporal por dia, dependendo da doença em tratamento. Após a obtenção de resposta favorável, seu médico irá reduzir a dosagem pouco a pouco até atingir a dose de manutenção, que é a menor dose com resposta clínica adequada. Seu médico poderá lhe indicar o uso de METICORTEN em dias alternados. Caso você passe por situações de estresse não relacionadas à doença sob tratamento, seu médico poderá aumentar a dose de METICORTEN. Caso o médico indique a interrupção do tratamento após o uso prolongado, ele irá reduzir a dose aos poucos. No caso de esquecimento de alguma dose, consulte seu médico.

Efeitos Colaterais

Quais os males que pode me causar?

Junto com os efeitos necessários para seu tratamento, os medicamentos podem causar efeitos não desejados. Informe ao seu médico se apresentar qualquer reação indesejável. As reações que foram relatadas, entre outras, são as seguintes: Alterações hidroeletrolíticas: retenção de sódio, perda de potássio, aumento do pH sanguíneo e níveis baixos de potássio;, retenção de fluidos, insuficiência das funções do coração em pacientes sensíveis, aumento da pressão arterial. Alterações nos ossos e músculos: fraqueza muscular, doença muscular, perda de massa muscular, miastenia gravis (piora da doença autoimune que causa fraqueza muscular muito intensa), osteoporose (diminuição do conteúdo de cálcio nos ossos), fraturas por compressão vertebral, necrose asséptica da cabeça do fêmur e do úmero, fratura patológica de ossos longos, ruptura de tendão. Alterações no estômago e intestino: úlcera péptica com possível perfuração e hemorragia, pancreatite, distensão abdominal, esofagite ulcerativa. Alterações na pele: retardo na cicatrização, atrofia da pele, pele fina e frágil; manchas vermelhas e/ou arroxeadas na pele; vermelhidão facial; transpiração excessiva; ausência de resposta em testes de pele; alergia na pele, como: dermatite alérgica, urticária e inchaço no rosto de origem alérgica. Alterações no sistema nervoso: convulsões; aumento da pressão dentro do crânio (geralmente após tratamento); tontura; dor de cabeça. Alterações nas glândulas: irregularidades menstruais; desenvolvimento de quadro clínico decorrente do excesso de corticosteroide no organismo; supressão do crescimento fetal ou infantil; insuficiência na produção de corticosteroide pela glândula suprarrenal, principalmente em casos de estresse (cirurgias, trauma ou doença); redução da tolerância aos carboidratos; manifestação de diabetes mellitus que não havia se manifestado antes do tratamento; aumento da necessidade de insulina ou antidiabéticos orais em pacientes diabéticos. Alterações nos olhos: catarata subcapsular posterior, aumento da pressão dentro dos olhos, glaucoma, olhos saltados. Alterações no metabolismo: perda de proteína. Alterações psiquiátricas: euforia, alterações do humor; depressão grave com manifestações psicóticas; alterações da personalidade; hiperirritabilidade; insônia.
Outras: reações de alergia ou semelhantes à alergia grave e reações do tipo choque ou de pressão baixa.

Advertências e Precauções

O que devo saber antes de usar este medicamento?

METICORTEN pode mascarar alguns sinais de infecção e novas infecções podem surgir durante seu uso, devido à diminuição na resistência do organismo. O uso prolongado de METICORTEN pode causar: catarata subcapsular posterior (especialmente em crianças); glaucoma com risco de lesão do nervo óptico e aumento do risco de infecções secundárias nos olhos por fungos ou vírus. METICORTEN pode causar aumento da pressão arterial, retenção de sal e água e aumento da perda de potássio. Por isso, seu médico poderá recomendar uma dieta com pouco sal e a suplementação de potássio, durante o tratamento com METICORTEN. Todos os corticosteroides aumentam a perda de cálcio. Se você está em tratamento com METICORTEN, não deverá ser vacinado contra varíola e nem receber outras formas de imunização. Entretanto, caso esteja em
tratamento com METICORTEN como terapia substitutiva, por exemplo, na doença de Addison (doença em que existe incapacidade da glândula suprarrenal de produzir corticosteroide) pode realizar os processos de imunização normalmente. Caso você esteja utilizando doses elevadas de METICORTEN, deverá evitar o contato com pessoas com varicela (catapora) ou sarampo. Caso entre em contato com essas pessoas, procure atendimento médico, especialmente no caso de crianças. O tratamento com METICORTEN na tuberculose ativa deve ser restrito aos casos de
tuberculose fulminante ou disseminada, nos quais METICORTEN é usado em associação com medicamentos para tuberculose. Caso haja indicação de METICORTEN em tuberculose que ainda não tenha se manifestado em casos positivos no teste à tuberculina, torna-se necessária a avaliação contínua. Durante o tratamento prolongado, esses pacientes devem receber tratamento preventivo contra a tuberculose. Se a rifampicina for utilizada em um programa de prevenção da tuberculose, poderá ser necessário um ajuste na dose do corticosteroide. Seu médico irá lhe indicar a menor dose possível de METICORTEN para controlar a doença sob tratamento. Quando for possível diminuir a dose, seu médico fará uma redução gradual.
Pode ocorrer insuficiência suprarrenal secundária quando houver a retirada rápida de METICORTEN. Essa insuficiência pode ser evitada mediante a redução gradativa da dose. A insuficiência suprarrenal poderá persistir por meses após a interrupção do tratamento. Entretanto, se durante esse período ocorrer uma situação de sobrecarga de estresse, seu médico deverá restabelecer o tratamento com corticosteroide. Se você já estiver sob tratamento com corticosteroide, seu médico poderá indicar um aumento da dose. Como a produção de mineralocorticoides pode estar comprometida,
recomenda-se o uso conjunto de sódio e/ou agentes mineralocorticoides. O efeito de METICORTEN ocorre de forma mais intensa nos pacientes com
hipotireoidismo ou cirrose (doença avançada do fígado). O uso de METICORTEN pode causar transtornos psíquicos e agravar condições pré-
existentes de instabilidade emocional ou tendências psicóticas. O tratamento com METICORTEN pode alterar a motilidade e o número de
espermatozoides em alguns pacientes.
Uso durante a gravidez e amamentação
O uso de METICORTEN em gestantes, mulheres no período de amamentação ou em idade fértil requer que os possíveis benefícios sejam avaliados em relação aos riscos potenciais para a mãe, para o feto ou recém-nascido. METICORTEN pode passar para o leite materno.
Uso em crianças
Como METICORTEN pode prejudicar o crescimento e inibir a produção de corticosteroide em crianças, seu desenvolvimento deve ser monitorado durante tratamentos prolongados.
METICORTEN não contém corantes.
Precauções
Caso você tenha infecção nos olhos causada pelo vírus herpes simples, avise seu médico, pois há risco de perfuração da córnea. Caso você tenha as seguintes doenças, avise seu médico: colite ulcerativa inespecífica (inflamação do intestino com ulceração); diverticulite (inflamação em pequenas bolsas que podem se formar no intestino); cirurgias intestinais recentes; úlcera no estômago ou no duodeno; insuficiência renal; hipertensão (pressão alta); osteoporose (diminuição de cálcio nos ossos) e miastenia gravis.

Superdosagem

O que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada?

No caso de utilização de grande quantidade desse medicamento de uma só vez, você deve consultar um Centro de Assistência Toxicológica e informar ao seu médico.

Composição

METICORTEN 20 mg
Cada comprimido de METICORTEN contém 20 mg de prednisona. Excipientes: amido de milho, estearato de magnésio, lactose monoidratada, povidona e croscarmelose sódica.

Armazenamento

Onde como e por quanto tempo posso guardar este medicamento?

Conservar em temperatura entre 2 e 30ºC. Proteger da luz. O prazo de validade de METICORTEN encontra-se gravado em sua embalagem externa. Em caso de vencimento, não utilize o produto.

Apresentação

METICORTEN 20 mg - embalagem com 10 comprimidos.
USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Interações Medicamentosas

Converse com seu médico sobre outros medicamentos que esteja tomando ou pretenda tomar, pois isso poderá interferir na ação de METICORTEN. Avise seu médico caso esteja tomando algum dos seguintes medicamentos: fenobarbital; fenitoína; rifampicina; efedrina; estrogênios (hormônios femininos); diuréticos depletores de potássio; glicosídeos cardíacos; anfotericina B; anticoagulantes cumarínicos; salicilatos; ácido acetilsalicílico; antidiabéticos e hormônios do crescimento. Usar METICORTEN com anti-inflamatórios não-esteróides (como ácido acetilsalicílico) ou com álcool pode resultar em aumento da incidência ou gravidade da úlcera no estômago e duodeno.

Laboratório

Indústria Brasileira

publicidade