Lidogel

publicidade

Bula do remédio Lidogel. Classe terapêutica dos Anestésicos. Princípios Ativos Cloridrato de Lidocaína.

Indicação

Para que serve Lidogel?

Lidogel (cloridrato de lidocaína) está indicada para anestesia local e lubrificação de superfícies:

Da uretra masculina e feminina durante cistoscopia, cateterização, exploração por sondas e outros procedimentos endouretrais; Das narinas e faringe em endoscopias, tais como gastroscopia e broncoscopia; Na entubação endotraqueal; Nos procedimentos endoscópicos proctológicos; No tratamento sintomático da dor relacionada à cistite e uretrite, como medicação paliativa.

Uso adulto e pediátrico - Uso interno

Farmacocinética

Como funciona este medicamento?

A lidocaína estabiliza a membrana neuronal por inibição do fluxo iônico requerido para a iniciação e a condução do impulso, desta forma efetuando sua ação anestésica local.

A anestesia é adquirida em 5 minutos, com duração de 20 a 30 minutos, dependendo da área de aplicação; este fármaco é ineficaz quando aplicado na pele intacta.

Posologia

Como usar Lidogel?

A geleia deve ser aplicada localmente, respeitando-se os critérios e limites de posologia relacionados abaixo:

Em pacientes idosos ou debilitados, crianças com menos de 12 anos, pacientes com doenças agudas ou sépsis, deve-se administrar doses proporcionais à idade, peso e condição física.

  • Em crianças com idade inferior a 12 anos, a dose não deve exceder a 6mg/kg. Não se recomenda administrar mais do que 4 doses em um período de 24 horas.
  • Uretra masculina: A geleia deve ser instilada lentamente até que o paciente tenha sensação de tensão ou até ter usado metade do conteúdo do tubo. Aplica-se, então, uma pinça peniana por alguns minutos. A anestesia é suficiente para cateterismos. Quando a anestesia é especialmente importante, por exemplo, durante sondagem ou cistoscopia, pode-se instilar o restante da geleia, pedindo ao paciente que se esforce como se fosse urinar. A geleia passará à uretra posterior. Aplica-se uma pinça peniana e espera-se por 5-10 minutos. Um pouco de geleia pode ser aplicada na sonda ou no cistoscópio, servindo como lubrificante.
  • Uretra feminina: Instilar 3-5 g da geleia em pequenas porções, a fim de preencher toda a uretra. Para obter-se anestesia adequada, deve-se aguardar alguns minutos para realizar o exame.
  • Endoscopia: Recomenda-se instilar 200-400 mg e uma pequena quantidade deve ser aplicada no instrumento para lubrificação.
  • Lubrificação para entubação endotraqueal: Aplique 100 mg na superfície do tubo um pouco antes da sua introdução. Deve-se tomar cuidado para evitar a entrada da geleia na luz do tubo.

Como a geleia é estéril, deve ser utilizada uma única vez.

Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Efeitos Colaterais

Quais os males que pode me causar?

Efeitos colaterais sistêmicos graves são raras mas podem ocorrer e incluem:

  • Delírio, tontura, visão turva, tremores seguidos de sonolência, convulsões, inconsciência e possivelmente parada cardíaca; depressão do miocárdio, diminuição do débito cardíaco, bloqueio cardíaco, hipotensão, bradicardia, arritmias ventriculares (incluindo taquicardia ventricular e fibrilação ventricular).

A acidose acentuada ou a hipóxia podem aumentar a gravidade das reações tóxicas.

Em raros casos, têm sido relatadas reações alérgicas.

Doses excessivas, ou pequenos intervalos entre as doses, podem resultar em elevados níveis plasmáticos da lidocaína ou de seus metabólitos, podendo causar sérios efeitos colaterais , como convulsões.

Contraindicações

Quando não devo usar este medicamento?

O uso do Lidogel é contraindicado em pacientes com antecedentes de hipersensibilidade aos anestésicos locais do tipo amida ou a outros componentes da fórmula.

Advertências e Precauções

O que devo saber antes de usar este medicamento?

Como qualquer anestésico local, as reações e as complicações são evitadas utilizando-se a mínima dose eficaz.

A absorção através das mucosas e superfícies lesadas é relativamente alta, especialmente na árvore brônquica.

Portanto, deve ser utilizado com muito cuidado em pacientes com pele traumatizada e/ou infecção no local da aplicação.

Deve ser usado com cautela em pacientes com epilepsia, distúrbio na condução cardíaca, bradicardia, disfunção hepática e choque grave se a dose ou o local de administração propiciarem níveis sanguíneos elevados.

A anestesia tópica da orofaringe pode interferir com a deglutição e causar risco de aspiração.

A dormência da língua e da mucosa bucal pode aumentar o risco de trauma por mordida.

Evite seu contato com os olhos.

Quando utilizada como lubrificante do tubo endotraqueal, deve-se ter cuidado para a não introdução da geleia na luz do tubo, pois a mesma poderá secar na sua superfície, deixando um resíduo que tende a se acumular, estreitando a sua luz.

O uso em pacientes idosos (acima de 60 anos) requer prescrição e acompanhamento médico.

A administração de lidocaína, antes do teste de bentiromina para prova de função pancreática, poderá invalidar o teste.

Interações Medicamentosas

A lidocaína deve ser usada com cautela em pacientes que estejam fazendo uso de outros anestésicos locais, agentes estruturalmente relacionados, ou tratados com antiarrítmicos, uma vez que os efeitos tóxicos são aditivos.

Superdosagem

O que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada?

Reações tóxicas originam-se, principalmente, dos Sistemas Nervoso Central e Cardiovascular.

Os primeiros sintomas são parestesia perioral, dormência da língua, tonturas, hiperacusia e zumbido.

Distúrbios visuais e tremores musculares são mais graves e podem preceder ao aparecimento de convulsões generalizadas.

Inconsciência e convulsões podem aparecer em seguida, podendo durar de alguns segundos até vários minutos.

Hipóxia e hipercapnia (aumento da quantidade de dióxido de carbono no sangue) ocorrem rapidamente após as convulsões devido ao aumento da atividade muscular e da interferência na respiração normal.

Em casos graves, pode ocorrer apneia.

A acidose aumenta os efeitos tóxicos dos anestésicos locais.

A recuperação pode ser rápida, a não ser que grandes quantidades do fármaco tenham sido administradas.

Hipotensão grave, bradicardia, arritmia e colapso cardiovascular podem resultar de altas concentrações sistêmicas.

Os efeitos tóxicos cardiovasculares são geralmente precedidos por sinais de toxicidade no Sistema Nervoso Central, a menos que o paciente esteja recebendo um anestésico geral ou esteja sedado com benzodiazepínicos ou barbitúricos.

O tratamento da intoxicação aguda deve ser instituído quando iniciarem as contrações musculares, devendo-se interromper as convulsões, dar suporte à circulação, e, se necessário, instituir ventilação assistida.

Um anticonvulsivo (por exemplo, um benzodiazepínico) deve ser administrado por via IV se as convulsões não cessarem espontaneamente em 15 a 20 segundos.

Tiopentona 100 -150 mg IV interromperá rapidamente as convulsões.

Pode-se administrar 5 a 10 mg de diazepam IV. O suxametônio interrompe as convulsões musculares rapidamente, porém requer intubação traqueal e ventilação artificial, devendo ser usado somente por médicos habilitados neste procedimento.

Em caso de hipotensão ou bradicardia, deve ser administrada efedrina (5 a 10 mg IV), podendo-se repetir o procedimento em 2 a 3 minutos.

Em caso de parada cardiorrespiratória, deve-se instituir a ressuscitação cardiopulmonar.

Oxigenação ótima, ventilação e manutenção da circulação, como também tratamento da acidose, são de vital importância, já que a hipóxia e a acidose podem aumentar a toxicidade sistêmica dos anestésicos locais.

Epinefrina, de 0,1 a 0,2 mg por via intravenosa, pode ser administrada assim que possível e repetida se for necessário.

Em crianças, as doses devem ser administradas proporcionalmente à idade e ao peso.

Composição

Cada 5 g contém:

cloridrato de lidocaína........................................................................................100 mg

excipientes q.s.p..........................................................................................................5 g
(hiprolose, propilenoglicol, hidróxido de sódio, metilparabeno, propilparabeno e água).

Apresentação:

Geleia Tópica 2%: Embalagens com 1 e 50* bisnagas de 30 gramas.
*Embalagem Hospitalar

Armazenamento

Onde como e por quanto tempo posso guardar este medicamento?

Conservar em temperatura ambiente (15° a 30° C).

Proteger da luz e umidade.

Laboratório

Neo Química

SAC: 0800 97 99 900

Dizeres Legais

M.S. Nº 1.0465.0130

Farm. Responsável: Dr. Marco Aurélio Limirio G. Filho - CRF-GO nº 3.524

publicidade