Clindamicina 300 mg

publicidade

Bula do remédio Clindamicina 300 mg. Classe terapêutica dos Antibióticos. Princípios Ativos Clindamicina.

Indicação

Para que serve Clindamicina 300 mg?

Clindamicina 300 mg é indicado no tratamento das infecções causadas por bactérias anaeróbicas susceptíveis ou cepas susceptíveis de bactérias aeróbias gram-positivas como estreptocococos, estafilococos, e pneumococos, tais como:

  • Infecções do trato respiratório superior, incluindo amigdalite, faringite, sinusite, otite média.
  • Infecções do trato respiratório inferior, incluindo bronquite e pneumonia.
  • Infecções da pele e tecidos moles, incluindo acne, furúnculos, celulite, impetigo, abscessos e feridas infeccionadas. Outras infecções especificas da pele e tecidos moles, como erisipela e panarício, podem também responder muito bem à terapia com cloridrato de clindamicina.
  • Infecções ósseas e infecções das articulações, incluindo osteomielite aguda e crônica e artrite séptica.
  • Infecções dentárias, incluindo abscessos periodontais, periodontite, gengivites e abscessos periapicais.
  • Infecções da pelve e do trato genital feminino, tais como endometrite, abcessos tubo-ovarianos não-gonocócicos, celulite pélvica, infecção vaginal​ pós-cirurgica, salpingite e doença inflamatória pélvica (DIP), quando associado a um antibiótico apropriado de espectro gram-negativo. Em casos de cervicite por Chlamydia trachomatis, a monoterapia com clindamicina tem se mostrado eficaz.

Clindamicina gel (Clindoxyl Gel) é indicado no tratamento tópico da acne vulgar leve a moderada.

Uso adulto e em pacientes acima de 12 anos - Uso oral e uso tópico.

Farmacocinética

Como funciona este medicamento?

Cloridrato de clindamicina é um antibiótico inibidor da síntese proteica bacteriana.

Posologia

Como usar Clindamicina 300 mg?

Clindamicina 300 mg

A dose deve ser determinada pela gravidade da infecção, pela condições do paciente e pela suscetibilidade do patógeno.

Adulto

A dose diária recomendada é de 900-1800 mg, dividida em três ou quatro doses iguais.

Para evitar a possibilidade de irritação do esôfago, cloridrato de clindamicina deve ser administrado com um copo cheio de água.

Em infecções por estreptococos beta-hemolíticos, o tratamento deverá continuar pelo menos durante dez dias, a fim de diminuir a possibilidade de febre reumática ou glomerulonefrite subseqüente em doença pélvica inflamatória (DIP), o tratamento deve ser iniciado com 900 mg de fosfato de clindamicina, por via intravenosa a cada 8 horas, concomitantemente a um antibiótico de espectro aeróbio gram-negativo apropriado, como gentamicina 2,0 mg/kg, administrado via IV, seguido de 1,5 mg/Kg a cada 8 horas em pacientes com função renal normal.

O tratamento IV deve ser continuado por pelo menos 4 dias e por pelo menos 48 horas após a recuperação da paciente.

Continua-se então o tratamento com cloridrato de clindamicina, administrando-se 450 mg a cada 6 horas até completar 10-14 dias de tratamento total.

Clindamicina gel (Clindoxyl gel)

Lavar as áreas afetadas com sabonete suave e água morna, enxaguar bem e secar.

Aplicar uma camada fina de Clindamicina gel sobre toda a área afetada, não apenas sobre as lesões.

Espalhar o produto com cuidado para que não entre em contato com olhos, narinas ou boca.

Aplicar o produto à noite, antes de se deitar, ou conforme orientação médica.

O uso contínuo do produto é normalmente necessário para manter uma resposta clínica satisfatória.

O produto deve ser usado durante o período determinado pelo médico, mesmo que ocorra melhora dos sintomas da acne depois de alguns dias do início do tratamento.

Efeitos Colaterais

Quais os males que pode me causar?

Nos estudos de eficácia, cloridrato de clindamicina foi, geralmente, bem tolerado.

Foram relatadas as seguintes reações adversas:

Gastrintestinais: dor abdominal, náuseas, vômitos, fezes soltas ocasionais ou diarréia e esofagite.

Reações de hipersensibilidade: erupções cutâneas morbiliformes generalizadas leves a moderadas foram as reações adversas mais frequentemente relatadas.

Rash naculopapular e urticária tem sido observados durante a terapia.

Raros casos de eritema multiforme, alguns semelhantes a síndrome de Stevens-Jonhson, tem sido associados a clindamicina. Foram observados poucos casos de reações anafiláticas.

No caso de uma reação de hipersensibilidade séria, o fármaco deve ser suspenso e os agentes normalmente empregados (adrenalina, corticosteróide, anti-histamínicos) devem estar disponíveis para o tratamento de emergência.

Fígado: anormalidades em testes de função hepática (elevações da fosfatase alcalina e transaminase sérica) e icterícia.

Pele e membranas mucosas: prurido, vaginite e raros casos de dermatites esfoliativa e vesículo-bolhosa.

Hematopoiéticas: foram relatadas neutropenia transitória (leucopenia) e eosinofilia, agranulocitose e trombocitopenia.

Entretanto não foi estabelecida relação direta entre esses efeitos e a terapia com cloridrato de clindamicina.

Contraindicações

Quando não devo usar este medicamento?

Clindamicina 300 mg e Clindamicina gel é contra-indicado a pacientes que já apresentaram hipersensibilidade à clindamicina ou à lincomicina ou a qualquer componente da fórmula.

Clindamicina gel (Clindoxyl Gel) é contra-indicado em indivíduos hipersensíveis ao peróxido de benzoíla, A relação risco/benefício deve ser avaliada quando o indivíduo apresentar antecedentes de enterite regional, colite ulcerativa ou colite associada a antibiótico.

Advertências e Precauções

O que devo saber antes de usar este medicamento?

A ocorrência de colite grave, que pode ser fatal, tem sido associada ao uso da maioria dos antibióticos, inclusive clindamicina.

Os estudos indicam que uma toxina produzida pela bactéria Clostridium difficile é a causa principal de colite associada á antibioticoterapia.

Essa patologia tem em geral um espectro clínico que varia de diarréia aquosa leve até diarréia grave e persistente, leucocitose, febre e espasmos abdominais graves possivelmente associados á passagem de sangue e muco, que pode evoluir até peritonite, choque e megacólon tóxico.

O diagnóstico de colite associada a antibioticoterapia é feito geralmente através dos sintomas clínicos e pode ser confirmado pela demonstração endoscópica de colite pseudomembranosa.

A patologia pode ser confirmada por cultura de fezes para C. difficile e por detecção da toxina nas fezes.

A colite associada a antibioticoterapia pode ocorrer durante o período de administração do antibiótico ou mesmo 2 a 3 semanas após o término do tratamento.

Casos leves podem responder a simples interrupção do antibiótico, ou ao tratamento com colestipol (dose recomendada de 5 mg, três vezes ao dia) ou resina de colestiramina (dose recomendada de 4 mg, três vezes ao dia).

Casos graves podem exigir adequada suplementação de líquidos, eletrólitos e proteínas e administração de vancomicina na dose de 125 a 500 mg, via oral, a cada 6 horas por 7 – 10 dias.

Eventuais recidivas devem ser tratadas com vancomicina, portanto, se os dois fármacos forem utilizados concomitantemente, é recomendável administrá-los em horários diferentes.

Uma terapia alternativa para casos graves é a bacitracina via oral 25.000 UI quatro vezes ao dia por 7 - 10 dias. Deve-se evitar fármacos que causam estase do intestino, como a atropina.

O cloridrato de clindamicina deve ser prescrito com cautela com história de doença gastrintestinal, particularmente colite.

O cloridrato de clindamicina como qualquer fármaco, deve ser prescrito com cautela a indivíduos atópicos.

A clindamicina não deve ser usada no tratamento da meningite, pois não penetra adequadamente no líquido cerebroespinal.

A exemplo de outros antibióticos, durante terapia prolongada, devem ser realizados testes periódicos de função hepática e renal e contagem sanguínea.

Em pacientes com doença hepática moderada ou grave, detectou-se um prolongamento da meia-vida de clindamicina, mas um estudo farmacocinético mostrou que, quando administrada a cada 8 horas, raramente ocorre acúmulo do fármaco.

Portanto, não é necessária a redução da dose nesses pacientes.

Não é necessária também a redução da dose em pacientes, com doença renal.

Entretanto, determinações periódicas de enzimas hepáticas devem ser realizadas quando do tratamento de pacientes com doença hepática grave.

Até que se disponha de experiências clínicas adicionais, não é indicado o uso de clindamicina em recém-nascidos (crianças com menos de um mês).

Evitar o contato de Clindamicina gel com olhos e membranas mucosas.

Todo produto à base de peróxido de benzoíla mancha os cabelos e tecidos coloridos, portanto evite o contato do produto com os mesmos.

Clindamicina na gravidez e lactação: não há estudos adequados e bem controlados sobre o uso deste medicamento em mulheres grávidas.

Clindamicina não deve ser administrado a mulheres grávidas, a menos que os benefícios a mulher sejam superiores aos possíveis riscos ao feto.

Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após seu término.

Informe ao seu médico se está amamentando.

A segurança e eficácia do uso tópico de Clindamicina gel em crianças com idade inferior a 12 anos não foram estabelecidas.

Interações Medicamentosas

Foi demonstrado antagonismo in vitro entre a clindamicina e a eritromicina.

Devido ao possível significado clínico, os dois fármacos não devem ser administrados concomitantemente.

Estudos demonstram que a clindamicina apresenta propriedades de bloqueio neuromuscular que podem intensificar a ação de outros fármacos com atividade semelhante.

Portanto cloridrato de clindamicina deve ser usado com cautela em pacientes sob terapia com tais agentes.

Superdosagem

O que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada?

Observou-se mortalidade significativa quando administradas doses subcutâneas ou orais de aproximadamente 2618 mg/kg em ratos.

Foram observadas convulsões e depressão em camundongos.

Hemodiálise e diálise peritonial não são meios eficazes para a eliminação do composto do sangue, em casos de superdosagem.

O fosfato de clindamicina aplicado topicamente pode ser absorvido em quantidades suficientes para produzir efeitos sistêmicos.

Caso o produto seja aplicado excessivamente, podem ocorrer vermelhidão e descamação da pele.

Não há relatos de superdosagem de Clindamicina gel por ingestão.

Em casos de superdosagem, empregar tratamento de suporte.

Composição

Clindamicina 300 mg

Cada cápsula contém:

cloridrato de clindamicina monoidratado*.....................................................................338,46 mg

excipiente qsp**..............................................................................................1 cápsula.

*equivalente a 300 mg de clindamicina base.

**amido, talco, estearato de magnésio e lactose.

Clindamicina gel (Clindoxyl Gel)

Cada grama contém:

clindamicina (na forma de fosfato de clindamicina) ............................................ 10,0 mg

peróxido de benzoíla .............................................................................................. 50,0 mg

gel aquoso q.s.p. .................................................................................................... 1,0 g

O gel contém: água purificada, carbômer, dimeticona, edetato dissódico, glicerina, hidróxido de sódio, lauril sulfosuccinato dissódico, metilparabeno, poloxâmer, dióxido de silício.

Apresentação:

  • Clindamicina 300 mg embalagens contendo 16 cápsulas de 300 mg
  • Clindamicina gel bisnagas com 30 g (Clindoxyl Gel)

Armazenamento

Onde como e por quanto tempo posso guardar este medicamento?

Clindamicina 300 mg deve ser mantido à temperatura ambiente (15°C a 30°C).

Proteger da luz e manter em lugar seco.

Clindamicina gel deve ser mantido sob refrigeração, entre 2 e 8°C.

Não deve ser congelado.

Nestas condições, o produto apresenta validade de 24 meses após a data de fabricação.

Quando mantido em temperatura ambiente (15-30°C), o produto apresenta validade de 60 dias.

Manter o produto bem fechado.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar este medicamento?

Caso você se esqueça de tomar uma das doses, tome-a assim que possível, no entanto, se estiver próximo do horário da dose seguinte, espere por este horário, respeitando sempre o intervalo determinado pela posologia.

Nunca tome duas doses de uma só vez.

Laboratório

Germed Farmacêutica Ltda.

Dizeres Legais

Clindamicina 300 mg - MS: nº 1.0583.0505
Farm.Resp.: Drª Maria Geisa P. de Lima e Silva - CRF-S- nº 8.082
SAC: 0800-191914
Clindamicina gel (Clindoxyl gel) - MS 1.0675.0069
Farm. Resp.: Waldir A. K. Bonetti - CRF-SP 12381
SAC: 0800 7043189

publicidade