Clenil a

publicidade

Bula do remédio Clenil a.

Indicação

Para que serve Clenil a?

Prevenção e tratamento da asma brônquica e demais condições de broncoestenose, bem como da rinite alérgica perene ou sazonal, da rinite vasomotora, das rinofaringites, sinusites e outras afecções inflamatórias e alérgicas das cavidades nasais e paranasais ou da faringe. Está indicado, ainda, na prevenção da recorrência de pólipos nasais após remoção cirúrgica.

Contraindicações

Quando não devo usar este medicamento?

Hipersensibilidade conhecida aos componentes da fórmula. Presença de infecções virais, fúngicas ou de tuberculose pulmonar.

Posologia

Como usar Clenil a?

Aerossolterapia: colocar o volume indicado no aparelho. Adultos: 1 flaconete 2 ml a cada administração, 1 ou 2 vezes ao dia. Crianças: metade de um flaconete 1 ml a cada administração, 1 ou 2 vezes ao dia. (1 ml corresponde a 30 gotas). Agitar o flaconetes antes de usar. - Superdosagem: a administração da doses elevadas de dipropionato de beclometasona em curto intervalo de tempo pode induzir à supressão temporária da função hipotalâmica-hipofisária-adrenal. Neste caso, a posologia deve ser imediatamente reduzida aos níveis recomendados e o paciente observado cuidadosamente. Pacientes idosos: as doses prescritas para adultos são muito bem toleradas pelos pacientes idosos, não havendo necessidade de redução posológica.

Efeitos Colaterais

Quais os males que pode me causar?

Os efeitos sistêmicos são extremamente improváveis em virtude das baixas doses recomendadas. Deve-se tomar cuidado durante o uso prolongado, controlando o paciente para detectar o mais precocemente possível efeitos colaterais sistêmicos como osteoporose, úlcera péptica ou sinais de insuficiência adrenal secundária. Em alguns pacientes submetidos à aerossolterapia poderá ocorrer candidíase da boca e da faringe. A incidência de candidíase parece estar relacionada à dose administrada. Esta doença responde ao tratamento e pode ser prevenida pela lavagem da cavidade bucal com água. Podem ocorrer, da mesma forma que com quaisquer outros produtos tópicos nasais, queimação no local, irritação, secura da mucosa nasal e raramente epistaxe.

Advertências e Precauções

O que devo saber antes de usar este medicamento?

Utilizar o produto somente nas fases agudas ou iniciais da doença e evitar os tratamentos em longo prazo. O uso prolongado de medicamentos tópicos pode causar fenômenos de sensibilização e, excepcionalmente, efeitos colaterais sistêmicos típicos desta classe terapêutica. Neste caso o tratamento deve ser interrompido e instituído um tratamento adequado. Eventuais infecções das cavidades nasais e paranasais deverão ser tratadas com terapêutica específica, não constituindo porém, contra-indicação específica ao tratamento com Clenil A. Embora o produto controle a maioria dos casos de rinite alérgica por mudança de estação (sazonal), um estímulo alergênico excepcionalmente alto pode requerer um tratamento suplementar, especialmente para os sintomas oculares. A mudança de um tratamento com esteróides sistêmicos para Clenil A deve ser feita com cuidado, quando houver suspeita de insuficiência adrenal. Caso o paciente esteja submetido a intenso estresse ou apresente grave crise asmática, deverá ser feito um tratamento suplementar com corticosteróide sistêmico. Não há relato, até o momento, do aparecimento de redução dos níveis de cortisol plasmático com o tratamento com Clenil A. Entretanto, tal redução pode ocorrer em pacientes que recebam o dobro da dose máxima recomendada de dipropionato da beclometasona administrado mediante aerossol pressurizado. Deve-se manter controle adequado dos pacientes sob tratamentos prolongados. A terapia com corticosteróides pode aumentar o risco de desenvolvimento de infecções graves ou fatais em indivíduos expostos a doenças virais, como varicela. Uso durante a gravidez ou lactação: nos estudos de reprodução em animais, os efeitos colaterais típicos dos corticosteróides potentes foram observados apenas com administração sistêmica de altas doses. Entretanto, a administração por via inalatória nasal ou oral do dipropionato de beclometasona evita que altos níveis plasmáticos sejam alcançados como ocorre com a administração sistêmica. O uso de Clenil A durante a gravidez deve ser considerado apenas quando os benefícios esperados para a mãe excederem em muito os possíveis riscos para o feto. O dipropionato de beclometasona tem sido amplamente usado durante vários anos de clínica diária, sem relato de danos aparentes. É razoável supor que haja passagem de dipropionato de beclometasona para o leite materno, mas é improvável que os níveis alcançados seja significativos nas doses usadas em aerossol. Entretanto, o uso do dipropionato de beclometasona durante a lactação requer uma avaliação cuidadosa da relação risco/benefício, tanto para a mãe, quanto para o filho.

Composição

Cada 1 ml contém: dipropionato de beclometasona0,400 mg; água deionizada q.s.p. 1 ml. Excipientes: fosfato de sódio, fosfato de potássio, álcool cetoestearílico, cloreto de sódio, polissorbato 20, monolaurato de sorbitano, metilparabeno, propilparabeno.

Apresentação

Suspensão para aerossolterapia: embalagens com 10 flaconetes monodoses plásticos contendo 2 ml cada.

Laboratório

Indústria Brasileira

publicidade