Cecoflan

Bula de Cecoflan

Bula do remédio Cecoflan. Princípios Ativos Aceclofenaco.

publicidade

Indicação

Para quê serve Cecoflan?

Como antiinflamatório e analgésico para os tratamentos agudos e crônicos dos sinais e sintomas de artrite reumatóide, espondilite anquilosante, osteoartrites e periartrite escapuloumeral. Também está indicada nos processos álgicos de várias etiologias, tais como: dores musculares (p.e. dores lombares), dor de dente ou dores pós-cirúrgicas (p.e. pós-episiotomia, após extrações dentárias).

Contraindicações

Quando não devo usar este medicamento?

Para pacientes hipersensíveis ao fármaco ou a qualquer dos componentes inativos da fórmula. O Cecoflan® não deve ser administrado em pacientes hipersensíveis ao diclofenaco. Relata-se a ocorrência de reações anafiláticas graves, e algumas vezes fatais, em pacientes em tratamento com agentes antiinflamatórios não esteroidais. Como qualquer outra droga antiinflamatória não esteroidal, Cecoflan® é contra-indicado para aqueles que sofrem broncoespasmo, urticária ou rinite aguda devido ao ácido acetilsalicílico ou a outros agentes antiinflamatórios não esteroidais, já que existe um risco de reações alérgicas graves. Cecoflan® não deve ser utilizado em pacientes com úlcera péptica em fase ativa. Este produto é contra-indicado durante a gravidez e a lactação.

Posologia

Como usar Cecoflan?

A dose usual é de 100mg a cada 12 horas. O regime posológico deve ser individualizado de acordo com a indicação e outras variáveis clínicas.

Pacientes idosos: A experiência clínica e dados farmacocinéticos limitados sugerem que a dose para idosos deva ser a mesma que a dose usual para adultos. Entretanto, como nos demais antiinflamatórios não-esteróides, o tratamento requer cautela, já que esses pacientes são mais susceptíveis às reações adversas.

Pacientes com insuficiência renal: Não há evidências de que a dose de Aceclofenaco deve ser modificada em pacientes com insuficiência renal (clearance de creatinina de 40-70 ml/min), e não há dados que suportem o uso da droga em pacientes renais graves.

Pacientes com insuficiência hepática: Pacientes com doença hepática leve devem receber uma dose inicial de 50mg a cada 12 horas. A segurança do uso de drogas antiinflamatórias (AINE) em pacientes com insuficiência hepática de intensidade leve a moderada não foi estudada.

Efeitos Colaterais

Quais os males que este medicamento pode me causar?

A maioria dos efeitos adversos observados são de intensidade leve e reversíveis.

Gastrintestinais: dispepsia, dor abdominal, náusea e diarréia, flatulência, gastrite, constipação, vômitos, estomatite ulcerosa e pancreatite, melena e estomatite.

Sistema Nervoso Central e Periférico: tonturas, vertigem, parestesia e tremores.

Psiquiátrico: depressão, alterações do sono, sonolência e insônia.

Dermatológicas: prurido, erupção cutânea, dermatite, eczema, rubor e púrpura.

Metabólicas e nutricionais: hipercalemia.

Cardiovasculares: edema, palpitações e cãibras nas pernas.

Respiratórias: dispnéia e "chiados".

Sangüíneas: anemia, granulocitopenia e trombocitopenia.

Orgânicos gerais: cefaléia, fadiga, edema facial, acessos de calor, reações alérgicas, ganho de peso.

Sentidos: anomalias visuais e alterações do paladar.

Alterações dos testes laboratoriais: enzimas hepáticas aumentadas, uréia sérica aumentada, creatinina sérica aumentada e fosfatase alcalina aumentada.

Superdosagem

O que fazer se alguém usar uma quantidade maior do que a indicada deste medicamento?

Podem ocorrer hipotensão, insuficiência renal, convulsões, irritação gastrintestinal e depressão respiratória. O tratamento consiste essencialmente em medidas sintomáticas e de suporte. Pode-se utilizar lavagem gástrica e carvão ativado para evitar a absorção do medicamento quando administrado por via oral. Terapias específicas tais como diurese forçada, diálise ou hemoperfusão não são úteis em decorrência de seu alto índice de ligação às proteínas e metabolismo extensivo.

Composição

Cada comprimido contém:
Aceclofenaco....................100mg
Excipientes: celulose microcristalina, dióxido de silício coloidal, lactose, amido de milho, polivinilpirrolidona, glicolato amido sódico, estearato de magnésio, polimetacrilato, óxido de ferro amarelo, talco, dióxido de titânio, polietilenoglicol.

Apresentação

Comprimidos de 100mg - caixa com 12, 16 e 24 comprimidos.

Interações Medicamentosas

As drogas antiinflamatórias não esteroidais aumentam a atividade do lítio e da digoxina pela redução do "clearance" plasmático. Esta propriedade pode ser de importância clínica em pacientes com função cardíaca comprometida ou hipertensão. O controle da pressão sangüínea de pacientes sob tratamento com betabloqueadores, inibidores da ECA e diuréticos deve ser cuidadosamente monitorados em caso de administração concomitante de agentes antiinflamatórios não esteroidais.

Pacientes em tratamento com este tipo de substância e, concomitante, tratamento com diuréticos poupadores de potássio podem apresentar aumento dos níveis séricos de potássio a administração de drogas antiinflamatórias não esteroidais com anticoagulantes exige monitoração cuidadosa e provável ajuste de dosagem do agente anticoagulante, que pode ser deslocado da ligação com as proteínas plasmáticas pelas primeiras.

A administração de antiinflamatórios não esteroidais com ácido acetilsalicílico não é recomendado porque a terapia concomitante pode aumentar a frequência dos efeitos colaterais, possivelmente devido a diminuição dos sítios de ligação para os antiinflamatórios não esteroidais.

Estudos clínicos demonstram que o diclofenaco, fármaco estruturalmente semelhante, pode ser administrado concomitantemente com agentes antidiabéticos orais sem que haja interferência no efeito clínico.

Existem relatos isolados de hiperglicemia em pacientes tomando Aceclofenaco. Sendo assim deve-se levar em conta o ajuste de dosagem de agentes hipoglicêmicos.

Deve-se ter cautela quando antiinflamatórios não esteroidais e o metotrexato forem administrados em um período menor que 24 horas entre uma droga e outra, já que os antiinflamatórios podem reduzir a excreção renal dos níveis de metotrexato, resultando em toxicidade aumentada.

Os antiinflamatórios não esteroidais podem também aumentar o potencial de toxicidade de ciclosporina.

Uso Em Idosos

Recomenda-se cautela ao utilizar o aceclofenaco em pacientes idosos, devendo-se levar em conta as condições clínicas destes pacientes. durante tratamento prolongado com o produto, recomenda-se proceder contagem de células sangüíneas e monitorização das funções hepáticas e renais.

Posologia: idêntica a dose usual do adulto.

Laboratório

Indústria Brasileira

publicidade