Cardionorm

Bula de Cardionorm

Bula do remédio Cardionorm. Classe terapêutica dos Antiarritmicos. Princípios Ativos Sotalol.

publicidade

Indicação

Para quê serve Cardionorm?

Arritmias: Tratamento de taquiarritmia ventricular grave e taquiarritmia ventricular não-sustentada sintomática. Profilaxia da taquicardia atrial paroxística, fibrilação atrial paroxística, taquicardia paroxística do nó atrioventricular reentrante, taquicardia paroxística reentrante atrioventricular usando vias acessórias e taquicardia supraventricular paroxística após cirurgia cardíaca. Manutenção do ritmo sinusal normal após a conversão da fibrilação ou flutter atrial. Controle do índice ventricular em pacientes com fibrilação atrial crônica ou flutter atrial. Arritmias causadas por excesso da catecolaminas circulantes e aquelas devidas ao aumento da sensibilidade às catecolaminas. Angina pectoris: O cloridrato de sotalol reduz a incidência e severidade dos ataques de angina e aumenta a tolerância aos exercícios. Pode ser usado em todos os casos de angina pectoris, incluindo casos severos e intratáveis. Pós-infarto do miocárdio: O cloridrato de sotalol quando administrado dentro de 5 a 14 dias do infarto agudo do miocárdio, na dose única terapêutica diária, produz significante redução no índice de reinfarto e mortalidade mais baixa durante o primeiro ano após o infarto.

Contraindicações

Quando não devo usar este medicamento?

Pacientes com asma brônquica ou doença obstrutiva crônica das vias aéreas. Hipersensibilidade ao cloridrato de sotalol. Choque cardiogênico. Insuficiência ventricular direita secundária e hipertensão pulmonar. Anestesia que produza depressão do miocárdio. Bradicardia sinusal severa. Bloqueio maior que o de 2º grau. Insuficiência cardíaca congestiva não-controlada. Insuficiência renal e síndrome do QT longo congênita ou adquirida.

Posologia

Como usar Cardionorm?

Arritmias: A dose máxima é de 640 mg/dia. A dose diária inicial recomendada para adultos é 80 mg, aumentando-se para 160 mg, 240 mg e, se necessário, 320 mg. A dose total diária deve ser sempre divididas cada 12 h ao ajuste posológico efetuado a cada 3 dias, e fim de se atingir níveis equilibrados.
A dose inicial de 40 mg/dia, dividida a cada 12 h, pode ser necessária em pacientes com função miocárdica severamente deprimida. Naqueles com bradicardia ou hipotensão arterial acentuada CARDIONORM deve ser evitado. A redução da dose pode também ser recomendável para aliviar sintomas de fraqueza e tonturas quando a pressão arterial permanecer baixa após mais de um mês de terapia.
A administração deve ser de preferência antes das refeições e na ausência de produtos contendo cálcio. Alguns pacientes com arritmias refratárias, com risco de vida, podem necessitar de doses mais elevadas: 960 mg/dia, mas tal dosagem deve ser rescrita com monitorização hospitalar cuidadosa. A dosagem não deve exceder a 960 mg/dia.
Angina pectoris/pós-infarto do miocárdio: Dose inicial: 160 mg/dia. Após a primeira semana de tratamento, ela poderá ser aumentada em 160 mg/dia em intervalos semanais ou em menor freqüência. Devidos sua meia-vida relativamente longa, o cloridrato de sotalol é eficaz na maioria dos pacientes quando administrado uma vez ao dia, Faixa de dosagem: 160-640 mg diários. A dose mais efetiva é em geral: 320 mg/dia.
A posologia ideal para cada paciente deverá ser determinada através da medida semanal da pressão arterial, do pulso, do grau de melhora dos ataques anginosos, da ansiedade, dos tremores ou das alterações eletrocardiográficas. A dosagem individual deverá ser ajustada de acordo com a resposta do paciente.
Observação: Antes de iniciar o tratamento com CARDIONORM, os pacientes recebendo outros agentes antiarrítmicos devem interromper tais medicações por um período de 2-4 meias-vidas da droga, se a sua condição clínica permitir. Após descontinuação de CARDIONORM®, o tratamento não deve ser iniciado até que o intervalo QT seja menor que 0,45 segundo.

Efeitos Colaterais

Quais os males que este medicamento pode me causar?

CARDIONORM é em geral bem-tolerado. As reações adversas relatadas (dispnéia, fadiga, tonturas, cefaléia, febre, bradicardia acentuada e(ou) hipotensão) são ocasionais, transitórias e raramente necessitam de interrupção do tratamento, desaparecendo com a redução da dose. Como o cloridrato de sotalol não cruza a barreira hematoencefálica, os efeitos adversos no SNC (depressão, insônia, sonhos incomuns e impotência) são relativamente raros.
Em pacientes com arritmias cardíacas, as reações adversas observadas que mais comumente levam à descontinuação do cloridrato de sotalol são as seguintes dispnéia 4%, fadiga 4%, pró-arritmias 2%, astenia 2%, bradicardia 2% e insuficiência cardíaca congestiva 1%. A descontinuação devida ao prolongamento excessivo do intervalo QT ocorreu em 1%.

Composição

Cloridrato de sotalol, 80 mg e 160 mg.

Apresentação

Comprimidos sulcados.

Laboratório

Knoll Prods. Químs. e Farms. Ltda.

publicidade